Registrar Novo Processo

Lista de Processos

Processo: 1162

Trabalhou para a reclamada, cerca de nove meses, percebendo o salário de Cr$ 16,40 mais 20% e um abono varíavel o que perfazia um total de Cr$ 23,00 diários. Que dia 24 do corrente, foi lhe dado o aviso-prévio de 8 dias. Que cumprindo o referido aviso, trabalhou 2 dias, quando então foi despedido, sob acusação de não produzir satisfatoriamente. Que em face do exposto, pleiteia lhe que sejam pagos os restantes 6 dias a que tem direito na forma da lei.

Processo: 1160

Trabalhou para o reclamado desde 24-9-47, até 29-1-49, quando foi despedido. Percebia o salário de Cr$ 14,00 por dia, pagos semanalmente. Que na ocasião em que foi despedido , foi lhe pago apenas a importância de Cr$ 125,00 a titulo de um período de férias. Que pelo exposto pleiteia lhe sejam pagos, além da importância de Cr$ 50,00 saldo das referidas férias, mais o aviso prévio e indenização a quem tem direito, num total de Cr$ 512,00.

Processo: 1128

Que trabalhavam na S. A. Frigorifico Anglo, tendo sido despedidos. Que foram indenizados, mas na base de 200 horas por ano de serviço, quando deviam ter sido pagos na base de 240 horas por ano de serviço, conforme a Lei n. 605 e sua regulamentação. Pleiteia portanto agora o pagamento dessa diferença, sendo mais 240 horas para o terceiro, num total de Cr$720,00 pois, foram pagos, respectivamente, na base de seis, cinco e seis anos de serviço.

Processo: 1157

o empregador deseja que a demissão solicitada, espontaneamente, pelo seu empregador, Dirceu Morales, seja homologada pela Junta de Conciliação e Julgamento depois de cumpridas as formas legais.

Processo: 1153

Ele trabalha desde 05 de janeiro de 1941 na firma Luiz Lorea & CIA. LTDA. Em 05 de dezembro de 1947 passou a ser ronda o engenho de arroz denominado Santo Antonio com o salário de CR$ 3,30 por hora. Exerceu tal função até o dia 31 de janeiro do mesmo ano quando foi transferido para outro engenho de arroz da mesma firma. Alega que quando começou a exercer a função de “ronda”, além de trabalhar 10 horas por dia, que é a jornada habitual do ronda, não gozou jamais o direito de folga. Por isso, pleiteia a importância de CR$ 5.464,80 por jornada de trabalho e CR$ 3.420,00 por folga semanal.

Processo: 1152

ela trabalha na Sociedade São Vicente de Paula há 11 anos e quando entrou em férias legais em 03 de janeiro de 1948 a instituição na lhe pagou os salários a elas correspondes, razão pela qual pleiteia o referido pagamento de CR$ 208,00. As férias acima mencionadas correspondem ao período de 1947 a 1948.

Processo: 1158

As reclamantes, que trabalham respectivamente, há mais de três e ha mais de ano, na Fábrica Lamego, da firma Lamego Irmão & Cia. Ambas ganham Cr$ 15,60 por dia e que no dia 27 de janeiro foram suspensas por três dias injustamente. Estas pleiteiam a anulação desta suspensão com as decorrências legais. Requerem, pois, que se digno determinar sejam as partes notificadas, afim de que, sob as penas da lei, compareçam a audiência, inclusive o adv. das reclamantes, Antonio F Martins.

Processo: 1205

O reclamante começou a trabalhar para Joaquim José Ferreira, seu pai, como 2º condutor de Motorista com salário mensal de CR$ 1.080,00 em março de 1946. Em 31 de agosto a embarcação foi desarolada. No entanto, por interesse do proprietário da embarcação, o declarante e outro empregado, mestre do barco, ficaram trabalhando na conservação da referida unidade. Diante disso, o salário foi ajustado para CR$ 400,00 por mês enquanto o barco estivesse parado. O mestre do barco seguiu em plena atividade enquanto o declarante trabalhou até o dia 15 de novembro, apesar de tudo não lhe foram pagos os salários relativos a este ajuste, razão pela qual considerou rompido o contrato ajustado e por isso, pleiteia o aviso prévio, a indenização por tempo de serviço e dois meses e meio de salários, totalizando CR$ 5.320,00.

Processo: 1204

o reclamante trabalhou na Santa Casa de Misericórdia como servente de pedreiro entre os dias 16 de fevereiro de 1946 até 24 de janeiro de 1948, quando foi incorporado as fileiras da 9º RI, de onde saiu no dia 22 de janeiro ... por conclusão de tempo de serviço militar. Sendo assim, procurou a empregadora do hospital para readimiti-lo. A mesma recusou-se mesmo ele tendo enviado uma carta pedindo a readmissão. Por isso, o empregado pediu uma indenização de CR$ 1.160,00, sendo CR$ 1.000,00 pelo tempo de serviço e CR$ 160,00 pelo aviso prévio.

Processo: 1203

o trabalhador começou a trabalhar no dia 27 de dezembro de 1948, porém dia 3 do mesmo mês não trabalho por motivo de doença. Comprovado pelo médico da fábrica. Em contrapartida a empregadora negou-se a pagar o salário enfermidade alegando que este só poderia ser pago quando houvesse afastamento por 15 dias. Segundo o operário o argumento da reclamada não encontra apoio do decreto-lei n.6.905 nem na jurisprudência existente. Devido a isso quer a indenização de Cr$ 120,00 que seria o valor do salário enfermidade.

Processo: 1149

Os reclamantes foram despedido, sem justa causa, ex-abrupto, em 20 de agosto corrente. Recebiam os salários semanalmente. Antes de serem despedidos ficaram durante duas semanas sem receber salários os seguintes reclamantes: Alcides, e todos os outros. Portanto, pleiteia o pagamento do aviso prévio, na base de oito dias e a indenização por despedida na base de trinta dias de salários, pleiteando o pagamento de um período de férias, na base de quinze dias de salários, Nilo, Aimoré e Avelino.

Processo: 722

O empregado entrou para a empresa como motorneiro e foi promovido suplente de fiscal e logo, fiscal. Pediu licença por motivo de doença, entregou o atestado e ao retornar havia sido rebaixado par a função de motorneiro novamente sem receber alguma explicação.

Processo: 721

Os empregados estiveram doentes e apresentaram atestados médicos, porém a empresa negou-se a fazer o pagamento dos dias em que estiveram doentes.

Processo: 725

O empregado foi demitido sem justa causa e sem aviso prévio. A empresa alegou que o empregado no tinha direito a aviso-prévio, férias e indenização porque não havia completado 12 meses de serviço.

Processo: 759

Trabalhou por anos na empresa sem ter sido assinado a carteira de trabalho, porém com a morte do antigo proprietário e mudança da razão social mostrou o desejo que fosse a carteira assinada de forma retroativa, o que foi a ele negado

Processo: 758

Demissão sem justa causa e pagamento de aviso prévio.

Processo: 753

Negação por parte da empresa em pagar o salário maternidade

Processo: 761

Alega que recebeu do IAPI o beneficio denominado “auxilio - pecuniário”, que entretanto, o patrão nega-se a pagar os 15 primeiros dias, conforme estipulado por lei.

Processo: 762

Demissão sem justa causa, sem receber férias, indenizações por Lei, aviso prévio e despesas de viagem. O reclamante não compareceu à audiência.

Processo: 760

Foi suspenso por 10 dias sem justa causa, dessa forma deseja que a reclamada pague estes dias. Em audiência foi entendido que o reclamante faltou ao trabalho, sem justificar, assim considera o processo improcedente.