Registrar Novo Processo

Lista de Processos

Processo: 763

No momento da reclamatória estava afastado pelo IAPI, mas o empregador nega-se a pagar a primeira quinzena de afastamento, conforme decreto lei: 6.905.

Processo: 743

Apesar de o empregado ter recebido aviso prévio, alega que a despedida foi injusta. A empresa alegou que por negligência o empregado deixou encher demasiadamente o tanque de óleo e acarretou num prejuízo, sendo assim demitido

Processo: 744

O empregado alegou ter sido demitido sem justa causa e ainda reclamou que não tinha hora fixa e que sempre trabalhava mais de oito horas diárias, chegando inclusive a trabalhar 24 horas seguidas. A parte reclamada não compareceu à audiência e foi tomado o depoimento do reclamante.

Processo: 745

Os empregados estão reclamando que em uma ação anterior movida pela representação do Sindicato dos Empregados no comércio de Pelotas ficou acordado um reajuste de salários em que o primeiro passaria a perceber Cr$ 1.050,00 e o segundo Cr$ 697,50 mas que até o momento não haviam recebido.

Processo: 1150

Que o Suplicante, conforme se vê das anotações na carteira profissional, a fls. 7,8 e 9, trabalhou para a empresa em três períodos, de 15/11/1943 a 30/4/1944; de 1º/5/1944 a 28/2/1947 e de 20/3/1947 até 29/7/1949, quando injustamente foi despedido e perfazendo, assim, cinco(5) anos, seis (6) meses e vinte e quatro (24) dias de trabalho. Seu salário atualmente é de Cr$ 1.250,00, sendo que desde 1º/4/1948 está incluido nesse salário, a titulo de abono, a importância de Cr$ 150,00. Esse Supte. costumava fazer horas extras principalmente nos períodos de safra, porém, nunca lhe foram pagos os salários correspondentes, razão pela qual quer agora reclamar esse pagamento referente a empresa. Nessa conformidade, está a "S/A. Frigorifico Anglo" obrigada a indenizar o Supte. pela importância de Cr$ 8.750,00, fora as horas extras que forem apuradas, importância essa assim discriminada: indenização - 6 meses a Cr$ 1.250,00 p/mês igual a -----Cr$ 7.500,00. Aviso prévio ( 1 mês)--------Cr$ 1.250,00. Horas Extras extraordinárias ( a serem apuradas)------------------------Cr$??????

Processo: 746

Trabalhou na chácara de propriedade de Luiz Bento Neto e foi despedido sem justa causa. Pleiteia com fundamento na CLT, o pagamento do aviso prévio e de um período de férias.

Processo: 747

Indenização por demissão sem justa causa, tendo como base o aumento salarial “em tabela aprovada”. Porém a reclamada com uma serie de argumentos alega que o autor da ação teria sim motivos para ser demitido – faltas recorrentes e voltou com duas semanas de atraso de suas férias regulares.

Processo: 748

Foi despedido sem justa causa e sem aviso prévio. Não gozou de férias, deseja portanto, seu pagamento em dobro.

Processo: 749

A empresa vem restringindo os dias de trabalho. Pleiteiam que lhes sejam concedido trabalho todos os dias úteis; que lhes sejam pagos todos os dias que deixaram de trabalhar.

Processo: 750

Reclama que tendo cessado o benefício do IAPI, tentou um acordo com a empresa colocando que ainda estava adoentada. O gerente da empresa recusou a atender a funcionária. Pleiteia a reintegração, com todas as vantagens decorrentes. O processo é composto por duas reclamatórias, a primeira em que Silvia Alano Paiva, funcionária reclama contra o Laboratório, já na segunda reclamatória a situação se inverte, a empresa se torna a reclamante e a funcionária é o réu. Este último processo é julgado procedente.

Processo: 751

Se afastou do emprego, mas não lhe foram pagos 20 dias de trabalho. Não recebeu as folgas semanais.

Processo: 752

Indenização por despedida injusta; pagamento do aviso prévio; num total de 158 dias e 1200 horas extras não pagas; Foi afastado temporariamente das suas funções, o que fez com que ele ficasse em uma situação de grandes dificuldades. Reclama que trabalhava duas horas a mais que o previsto de forma legal para a função.

Processo: 754

Relata a sua jornada de trabalho, primeiramente como copeira e posteriormente, como cozinheira. Transparece que trabalhava mais horas que o permitido por lei. Foi demitida sem justa causa.

Processo: 1136

Competia, pois ao empregado João Manuel de Macedo, para se apresentar a empresa para receber o que era lhe devido por salários atrasados e retomar o trabalho. Entretanto, embora o referido empregado, durante todo o tempo em que esteve suspenso, compareça quase diariamente nas imediações do estabelecimento da Suplicante, para vender jornais e confabular com seus companheiros de trabalho, jamais se apresentou para retomar o serviço. Tal situação permanece há quase 60 dias, estando assim caracterizado o abandono de emprego, manifestado pelo desinteresse de reiniciar a sua atividade como empregado da Suplicante. Além disso, o referido empregado, por ocasião de um inquerito que a Suplicante promoveu contra o motorneiro José Alves Pereira, procurou influir nas testemunhas arroladas, para que elas dissessem o contrário da verdade e até o contrário do que haviam afirmado por escrito, usando para tal fim até de intimação, procedimento que o mesmo empregado já havia tido por ocasião do inquerito relativo à greve. Tal procedimento, sem dúvida caracteriza falta grave nos termos do art. 493 combinado com o art. 482 al. bin fine da CLT. Requer, pois, a Suplicante se digne V. Exa. mandar notificar o dito João Manuel Macedo, para todos os termos do inquerito, prestar seu depoimento pessoal e acompanhar o interrogatório das testemunhas abaixo arroladas, sob pena de revelia, protestando a Suplicante pela juntada de certidões a serem extraídas dos autos do primeiro inquerito contra o mesmo indiciado, pagando a Suplicante as custas calculada na base do salário mensal de Cr$ 706,00. TESTEMUNHAS: João Delamare/João Felipe Jacobsen/ João J. Cardoso/ Miguel Nunes. Todos funcionários da Suplicante.

Processo: 1107

Que foi admitida como empregada na Confeitaria Brasil na data de 7 de Junho de 1930. Que desde aquela data até o presente, vem exercendo na referida Confeitaria a profissão de cozinheira. No entanto não possui carteira profissional, pois que é analfabeta e nunca o empregador cogitou de regularizar a sua situação, como empregada. Diante do exposto se julga prejudicada em seus direitos, pois trabalha para o referido empregador há 19 anos e 3 meses e 9 dias percebendo a insignificância de Cr$100,00 mensais.

Processo: 1124

Que trabalhou conjuntamente com seus dois filhos dão e Percilio, ganhando Cr$1.500,00. Que todos três, receberam apenas, em todo o tempo em que trabalharam para o reclamado, Cr$2.000,00, dos quais Cr$1.000,00 tocou para Adão, Cr$550,00 para Percilio e Cr$500,00 para o reclamante. Nestes termos o reclamante tem haver a diferença de Cr$550,00.

Processo: 396

Percebe os seus salários semanalmente. Trabalham todos, a mais de ano, para a referida firma. Seus patrões negam-se a pagar-lhes, os domingos e feriados a que tem direito. Pelo Exposto pleiteia o referido pagamento, com fundamento na lei nº 605 de 14 de janeiro do corrente ano.

Processo: 1097

Os reclamantes Abrilino Castro, Almerindo A. da Rosa, Luiz de Jesus dos passos, Jo´se Oliveira Borges, Silvio Amaro, Diogenes Morais Oliveira, Francisco Nino, Amadeu Domingues, Fernando Vitoria, Ildefonso V. Cruz Pery Farias, Rene Ribeiro Montiel, Dirceu Magalhães, João Walter Pio da Rosa, Carlos Siqueira Nino, Adão Macedonia Rodrigues Ramos, Frontino Rosa, José Castro Alves, Juline Meireles atista, Izabekino Pereira Filho, Jorge Alves de Oliveira. Percebem os seus salários semanalmente. Trabalham todos, a mais de ano, para a referida firma. Seus patrões negam-se a pagar-lhes, os domingos e feriados a que tem direito. Pelo Exposto pleiteia o referido pagamento, com fundamento na lei nº 605 de 14 de janeiro do corrente ano.

Processo: 1125

Que foi admitido pelo Reclamado em 3-10-48, que foi despedido sem justa causa, em 18-10-49. Que ganhava Cr$ 15,00 pagos semanalmente. Que vem pleitear o pagamento de indenização e aviso-prévio a que tem direito, no valor de Cr$ 495,00

Processo: 1126

Que entrou para a S.A. Frigorifico Anglo em 28 de Abril de 1947, sendo despedido, sem justa causa, em 28 de Dezembro de 1948. Que trabalhava na secção das caldeiras, com salário-hora de Cr$ 3,50. Que, em vista do exposto e com fundamento na CLT, pleiteia: a) pagamento da indenização, Cr$ 1.400,00 ; b) o pagamento do aviso-prévio, Cr$ 840,00 - na base de trinta dias. Que requer digne-se determinar sejam as partes, inclusive o adv. Antonio Ferreira Martins, notificadas, afim de que, sob as penas da lei, compareçam à audiência que for designada.